Bela, recatada e do lar - Sylvia Loeb - Sylvia Loeb responde

Bela, recatada e do lar.

istock_000078431407_large

A última moda agora é jogar pedra em quem é bela, recatada e do lar.

As feministas, cada vez mais raivosas, além de pedras, cospem palavras de desprezo por essas qualidades de algumas mulheres.

Sempre fui recatada e caseira. Bela não posso me auto-proclamar, pois seria falta de modéstia, mas os homens me olham muito, o que transtorna meu marido, embora eu não dê a menor entrada para tais comportamentos. Mas como não sou morta, baixo os olhos e dou um jeito sorrateiro de avaliar a impressão que estou causando. Noto que quanto mais recatada me mostro, mais excitados os homens ficam. Vestidos clarinhos justos no corpete, modelando discretamente os seios e saias rodadas são os preferidos. A cor clara sugere pele nua, a modelagem justa, mas discreta, delineia o corpo que imaginariamente encontrarão debaixo das saias rodadas, as coxas encobertas, os quadris volumosos. Sempre tive ancas largas, boas para ter filhos, me dizia meu padrinho. Disfarço com saias rodadas, mas quem tem olho, pode ver.

Do lar, sempre fui. Tenho prazer em preparar quitutes deliciosos para meu marido; é um outro modo de sensualidade, será que as feministas ainda não perceberam?

Dar comida na boca faminta de um homem é preparar a cama que vem depois. Grandes acontecimentos sexuais ocorrem após um jantar especial. Sempre cuido que não seja demais, há risco de estragar tudo: azia, refluxo, eventuais gases, um horror.

Depois de um dia de trabalho exaustivo que garante nosso bem viver, na maioria das vezes meu marido me encontra perfumada, drinque na mão, disposta para um banho de banheira, luz de velas, tudo o que pode excitar a imaginação de um homem. Crianças na cama, importantíssimo. Essa hora é nossa.

Tenho a confessar uma vantagem: como ele é 40 anos mais velho do que eu, sou poderosa. Muitas vezes essa encenação me cansa, e mostrar-me amuada, ou com enxaqueca, ou, o que ele adora, irritação devido à TPM, é sucesso garantido, ele exulta.

Não precisamos de Freud para entender: um homem 40 anos mais velho desfilar com uma mulher vistosa, que menstrua, faz dele um modelo de virilidade aos olhos de seus pares.

Sou recatada até no modo de usar as palavras, tenho apreço por elas, prezo a elegância. Isso me ajuda muito nas recepções que dou aqui em casa para empresários e políticos.

Jamais emprego a palavra tesão, prefiro, excitação; fazer amor ao invés de transar, ou f…, nem tenho coragem de escrever tal palavra. “Viril” substitui com elegância “garanhão”, e por aí vai.

Se tenho fantasias? Sim, às vezes me dá uma vontade imensa de experimentar outros corpos, outros cenários, outras conversas.

Mas todos passamos por isso, não?

Recatada, porém cheia de fantasias. Fecho os olhos e faço amor com homens musculosos, de carnes firmes, peitoral largo – é quando me entrego inteira ao meu homem que sempre me faz feliz, e nesses momentos de exaltação das fantasias eróticas, sinto que meu marido dá o melhor de si, porque está recebendo algo extraordinário. Saímos dessa experiência revitalizados.

Política, liberdade sexual, realização profissional e intelectual, são assuntos interessantes, mas não me concernem. Política, deixo ao meu marido; realização profissional não me atinge, tenho tudo o que quero, ele me supre de todos os bens materiais, inventar o quê?

Faço trabalho voluntário uma vez por semana, o que me coloca em contato com o mundo, mas ao chegar em casa, fecho a porta da rua e deixo tudo do lado de fora.

Gostaria de ter filhas para passar minha sabedoria de mulher recatada e do lar e, sendo realizada no amor e nas tarefas domésticas, creio que me transformei em uma bela mulher.

Meus dois lindos meninos, sem dúvida, procurarão garotas belas, recatadas e do lar, pois seguirão, se Deus quiser, o modelo feliz de seus pais.

Cá entre nós, que as feministas não me escutem: não é esse o sonho secreto de todas as mulheres? Encontrar um homem em quem possam se encostar, que lhe garanta abrigo, calor e segurança?

O preço é sermos belas, recatadas e do lar.

É caro?

 

Sylvia LoebSylvia Loeb é psicanalista e escritora. Visite seu site em sylvialoeb.wordpress.com, acesse sua página no Facebook SylviaLoeb_escritora ou escreva para o e-mail [email protected]

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *