Jane Birkin - adília belotti - FIFTIES MAIS - LUTZ PATMOS

Estilo Jane Birkin

Nossa relação com a moda pode mudar ao longo dos anos e, pra alguns, se tornar até atemporal.

Não sei bem quando exatamente minha relação com a moda mudou…
Mas aos 50, um pouco antes, um pouco depois, me vestir virou uma espécie de brincadeira, jogo de fantasia e de humor…
E nem é que não me importe mais, ao contrário, aos 50, um pouco antes, um pouco depois, descobri  em mim até uma certa… faceirice!

Bom, se você está muito longe dos fifties vai estranhar, mas muitas mulheres da minha geração cresceram desconfiando dos batons e rosnando para essas coisas de “mulherzinha”. Éramos até corretas, eventualmente chiques, elegantes, mas não nos divertíamos…

Algumas de nós nunca perderam o tom “nós que amávamos tanto a revolução” e passaram a vida experimentando versões do estilo “túnica + sandália franciscana”. Outras jamais se permitiram concessão alguma e caminharam até aqui eretas, expressão severa, jeans, camisa abotoada, sapatos de bicos gordos, nada de enfeites. Outras ainda buscaram refúgio nos beges e tentam até hoje encher de graça os básicos de todas as cores.

Mas existem mulheres que se soltam aos 50, um pouco antes, um pouco depois, soltam o riso, soltam os cós e vestem as roupas como quem dança contra o vento!

Fiz uma faxina no meu armário. Dei tudo que me apertava (menos os jeans, vai saber a que outras fantasias eles respondem!),  tudo que era áspero, tudo que era duro. Aos 50, um pouco antes, um pouco depois, quero panos que me envolvam, sem moldar, macios, molengas, que viajem do trabalho ao sofá sem sofrimento, que causem até certa estranheza, mas que ousem outros olhares sobre mim. Quero cores e quero levezas, estampados, por que não? Mas com um quê das odaliscas de Matisse… Salto alto, de vez em quando, só para exercitar o porte aprumado das palmeiras… e batom, sempre!
Jane Birkin é meu benchmark! Lembram daquela quase-voz dela, entrando sussurrada logo depois dos acordes proibidos de “Je t’aime, moi non plus”? Caso de amor eterno com Serge Gainsbourg, dono do nariz mais espetacularmente grande e da voz mais doce, uma combinação, aliás, perigosa num homem… Pois então, Jane Birkin declarou ao jornal inglês The Guardian recentemente que nunca iria deixar de usar jeans, mesmo tendo 53 anos. A atriz respondia a uma certa polêmica provocada por um estudo que dizia que jeans deveriam ser reservados para os cowboys, os jardineiros e as mulheres de menos de 50… Jane Birkin envelheceu, sim. Sua quase-voz continua sussurrada e ela ainda é linda, até porque, liberta da necessidade de posar de mulher sexy, ela pode rir mais, e é assim que ela aparece hoje, rindo!

Jane Birkin_Francois Durand/Getty Images

Não espanta que seja a designer convidada da marca Lutz and Patmos cujo mote é “moda não efêmera,  simples mas especial, moderna mas confortável, familiar mas única, para durar anos a fio, não estações, para o dia e para a noite, para a semana e para os finais de semana, para todos os climas, para o ano inteiro”.

E tem mais gente brincando com essa “não-moda-arte-de-vestir-para-brincar”.

Sonia Pinto, por exemplo, de Belo Horizonte, que acabou de abrir um atelier em São Paulo e que define as mulheres, suas clientes, como: “mulheres cosmopolitas, cientes do seu tempo, protagonistas da sua história (…) mulheres que só se revelam para quem merece fruir da sua gentileza – e da sua beleza atemporal”.

Atelier Sonia Pinto em SP

“Faço roupa para mulheres que não estão preocupadas com um carimbo e que têm coragem de inventar seu próprio estilo”.

Para elas, a estilista cria vestidos-capas, calças-saias, blusas-mantos, híbridos à espera das cores, cada prega revelando possibilidades e movimentos novos…

Dela tenho algumas peças, as minhas favoritas no armário recém-esvaziado, incluindo uma espécie de blusa-estola, de uma lãzinha que nunca nem sonhou ficar pinicando a pele da gente, forrada de gaze, toda desconjuntada, mas que se transforma no minuto em que você se deixa abraçar pelas dobras macias. Sem querer, seu queixo parece mais altivo, seu olhar, mais sereno, seu jeito, mais feminino, você inteira, uma mulher sem idade, na roupa atemporal… 

_____________________________________________________________________________________

Relembrando: Je t’aime, mois non plus, com Jane Birkin e Serge Gainsbourg

As fotos

Jane Birkin (as pernas dela, no caso) chega ao cemitério de Saint Germain des Prés para o enterro  do cantor e compositor Alain Bashung, no dia 20 de março de 2009, em Paris, na França/Photo by Francois Durand/Getty Images

Jane Birkin no site da Lutz and Patmos, como designer convidada

Atelier de Sonia Pinto em São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *