Este artigo é parte do Clube dos Escritores

Atenção,
por Sylvia Loeb

 

 

 

Atenção é a palavra que define a minha vida; prestar atenção é a ação que me comanda.

Captados por meus olhos, os acontecimentos do mundo, tão perigosos para minha sobrevivência, exigem atenção permanente.

Sou objeto dos olhares dos outros, ocupo seus pensamentos: não consigo perceber o porquê de tamanho interesse, apenas sei que é cruel, muito cruel.

A única forma de proteção é fazer uma varredura em qualquer recinto onde entro : olhos, dezenas, centenas de olhos me encarando.

Os mais perigosos são os que usam óculos escuros, é o modo mais comum de disfarce.

Meus olhos, porém, têm a capacidade de penetrar as lentes mais negras.

Há anos desenvolvi essa técnica, que me levou a uma sensibilidade extraordinária aos indícios invisíveis.

Se ficar cego, não perderei em nada minha capacidade de atenção, é possível, até, que desenvolva mais habilidades.

Levo na bolsa pequenos espelhos para captar o entorno; procuro sentar sempre encostado em alguma parede para evitar olhares vindos detrás, mas no metrô, nos ônibus, faço uso dos espelhinhos para julgar o que ocorre lá, onde não tenho olhos para ver.

Ao sair de casa observo bem as minhas costas: tenho um grande espelho que me permite ver dos pés à cabeça: ombros estreitos, o pescoço fino, a cabeça um pouco inclinada para a frente, o cabelo ralo.

Essa é a única parte sem proteção, flanco aberto, sujeito a ataques.

__________________________________________________________________________________________

SYLVIA LOEB – É psicanalista e escritora. Visite seu site, acesse sua página no Facebook ou escreva para o email [email protected]!

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *