Este artigo é parte do Clube dos Escritores

O pé de cadeira,
por Bettina Lenci


 

 

 

Teria eu amado mais, caso não tivesse dúvidas sobre a existência de Deus? Teria amado antes?

Não sei a data, mas ainda muito jovem, lembro ter perguntado ao espaço cinza da minha alma se Deus ou o marceneiro haviam criado o pé da cadeira na qual eu estava sentada.

Hoje, não mais olhando para um pé de cadeira, sabedora de que o seu criador foi o marceneiro, ainda pergunto ao mesmo espaço: Deus existe?

Com os anos a resposta chega clara: Deus não existe, vejo o mar, o verde, as estrelas grudadas no céu: na Natureza acompanho o fio da Criação.

Por muito tempo tive inveja de quem me dizia ter encontrado Deus como se tivesse  tomado um cafezinho com ele. Ao ser invocado, com tanta certeza, minha busca por uma resposta crescia como o bolo e seu fermento no forno.

Caso tivesse caído na malha fina da seleção divina e fosse nascida para acreditar na existência do Divino, a Ele teria que dedicar minha atenção e afetuosidade e, com certeza, no fim e no fundo de minha parte má, tornar-me-ia intolerante com aqueles que negassem sua Existência. Suponho que, ao acreditar em Deus, a Ele precisaria dar uma das fatias do meu amor, condição que me falta por necessidade de dedicar, ao mistério de viver, toda minha atenção. Tenho medo de que, ao acreditar na Sua Existência, perca de vista o parco indivíduo que sou, construído  no dia a dia.

Não acreditar, permite descortinar um universo infinito de outras possibilidades, o mundo torna-se dúvida, sem resposta precisa. O inexplicável passa a ter infinitas possibilidades de Ser.

Ao não atribuir “as coisas” a Deus, elas ganham contornos concretos, porém, simultaneamente, resguardam o Espírito – em algum lugar indefinido – dentro de nós.

Não acreditar nos insere na natureza mutante e na história da humanidade, uma criação exclusiva do homem, a causa e  a consequência de seus atos, evidentes.

Por outro lado, não acreditar na sua Existência não o torna Inexistente. Conforta saber que há uma possibilidade d’Ele gostar de todos nós, seus filhos de criação. Conforta-me saber que Ele gosta quando investigo a sua Existência. Gosta quando descubro que viver faz tanto sentido quanto morrer.

__________________________________________________________________________________________

BETTINA LENCI – Uma empresária que se realizou tendo como início profissional a história da arte e a fotografia, mas que, posteriormente, descobriu que lendo e escrevendo é possível criar um mundo com um olhar agudo sobre o cotidiano de todos nós.

2 comments

  1. Esta escrito, “Deus criou o homem a sua imagem e semelhança”.
    Eu acho que, “o homem inventou Deus a sua imagem e semelhança”, para justificar todas as barbaridades que provoca.
    Ótimo tema, denso muito bem elaborado. Na minha opinião um dos melhores texto do blog nos últimos tempos.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *