Quando tirar o glúten do prato?

Hoje muito se fala sobre o glúten e a necessidade de riscá-lo da dieta. Mas, você sabia que ele faz parte da composição de vários alimentos importantes? Por isso, procure um especialista antes de fazer qualquer mudança nos seus hábitos alimentares?

Você já deve ter reparado que as prateleiras dos supermercados estão repletas de produtos sem glúten. Isso porque essa proteína encontrada em cereais como trigo, aveia, cevada e centeio virou alvo de controvérsias sobre seus benefícios (ou não) para a saúde. Modismos a parte, nem todo mundo pode consumi-lo mesmo.

Os portadores da doença celíaca, por exemplo, não podem ingerir alimentos com glúten de jeito nenhum. Isso porque a proteína desencadeia um processo inflamatório no intestino delgado, parte do sistema Digestório responsável por absorver a maior parte dos nutrientes que ingerimos. Há ainda aqueles que possuem intolerância à substância sem sofrerem com a doença — ou seja, que apresentam desconfortos semelhantes aos dos celíacos, mas sem os mesmos efeitos agressivos da inflamação para o organismo.

Eliminar o glúten significa, então, uma desvantagem nutricional para quem tem a doença? Não necessariamente. “Essas pessoas não terão malefício algum, desde que tenham a orientação correta sobre os tipos de trocas que devem ser feitas na alimentação”, explica o nutrólogo André Veinert, de São Paulo.

Hoje em dia, isso não é difícil, graças às inúmeras variedades de produtos à disposição do consumidor. “Dá para se viver muito bem trocando a farinha de trigo pela farinha de mandioca, por exemplo. O que faz mal é tirar o glúten e não encontrar uma outra fonte de carboidratos, responsável por fornecer energia para o organismo”, completa o especialista.

Não há motivos, no entanto, para que a proteína seja eliminada da dieta por quem não apresenta nenhum tipo de restrição. É mito acreditar que a ausência do glúten ajudaria na perda de peso. “Nenhum trabalho de pesquisa até hoje revelou qualquer vantagem na privação da proteína”, afirma Veinert. “São modismos sem nenhuma fundamentação científica. “ Em caso de dúvida, não deixe de procurar um especialista para saber o que é melhor para você.

Esse artigo foi criado pela equipe do Fifties+ e publicado originalmente no site Senior Social 

Senior Social

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *