Presente de Ano-Novo/Sylvia Loeb/Fifties Mais

Presente de ano novo

Querida Sylvia,

Ele me telefona apenas para fazer “aquelas coisas”, vamos fazer aquelas coisas ele me diz. Digo que também quero carinho, ele responde que carinho é só para os filhos. Me dá um beijo oco, a boca dele é vazia, esconde a língua no fundo da garganta, o beijo é oco, sabe o que é isso? E hoje, véspera de Natal, me disse que vai embora, assim, sem mais. Vai embora?! Como?! Por que?! Porque sim, não quero mais saber de você. Estou desesperada, o que faço?
Maria do Carmo

Querida Maria do Carmo,
Antes de qualquer coisa, vamos combinar: ele é um grande canalha. Só te procurar para “aquelas coisas”, beijo oco, ainda daria para aguentar até depois das festas, mas ir embora na véspera do Natal! Acho que você se livrou de um grande canalha.

Mas como sei que não adianta muito falar o que você já deve estar cansada de saber e de ouvir de suas amigas, meu conselho é: chore, chore pra valer, chore todo o desespero de ter sido abandonada na véspera do Natal, chore por não ter quem te dê beijos ocos, chore por nunca ter recebido carinho que ele guarda só para os filhos, chore a mais não poder. Grite, rasgue as roupas, jogue cinzas nos cabelos, como faziam as mulheres bíblicas ao perderem seus amores. Chore feito uma carpideira, vista-se de negro dos pés à cabeça, cubra os espelhos de sua casa como fazem os judeus quando perdem um ser querido. Escreva o nome dele em um papel, coloque em uma panela, derrame álcool por cima e toque fogo. Grite, grite até ficar sem voz, faça tudo o que mulheres enlutadas devem fazer, daquelas de quem são tirados os grandes amores.
Arranque os cabelos,beba todas as bebidas que tiver em casa até perder os sentidos e quando acordar com imensa depressão, no fundo do poço, com desejo de morrer, chore novamente. Não atenda o telefone, não deixe que os amigos a consolem pois sabe que vão falar mal dele, e isso você não quer ouvir. Aliás quer e não quer. Quer porque ele merece ser execrado em praça pública, não quer porque isso põe em evidência você diante de você mesma. Essa é a parte mais difícil.

Entregue-se, não brigue com seus sentimentos dizendo que não deveria estar sentindo o que está sentindo, pois dor é a dor que a gente sente: pena de si mesma, desamparo, saudades do beijo que nunca recebeu.

Depois de ficar exausta, se ainda tiver mais gritos e mais choro dentro de si, recomece tudo, quantas vezes for necessário, mais um dia, mais uma semana, mais um mês. Garanto que o desamparo vai se transformar em algum outro sentimento que ainda não podemos predizer.

iStock_000011396827_Medium

Talvez até possa pensar que ganhou um presente de ano novo – sua própria boca- , que não vai mais suportar ser beijada por uma boca oca, almejando com razão, um beijo pleno.

 

Sylvia LoebSylvia Loeb é psicanalista e escritora. Visite seu site em sylvialoeb.wordpress.com , acesse sua página no Facebook: @SylviaLoeb ou escreva para o email [email protected]

2 comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *