Este artigo é parte do Clube dos Escritores

A avenca,
por Sylvia Loeb

Ao lado da cabeceira, as folhinhas encrespadas. Faz dias que não recebe uma gota d’água. Esquecemos de molhar. Alguém lembra de aguar a avenca. A família reunida, filhos, noras, genros, netos, bisnetos, sobrinhos.

Minha tia-avó abre os olhos. Mirradinha na cama grande.

Vira a cabeça devagar, olha a avenca, fecha os olhos.

Que sede… faz tempo que vocês não vêm me visitar… Que tal o casamento da Amélia? E a torta de morango, estava boa?

Conversa normalmente, a minha tia-avó.

Dormiu durante quatro meses seguidos, dia e noite sem acordar.

O cabelo ralo, esbranquiçado na raiz, as longas unhas esmaltadas de vermelho. Ao redor dos olhos inchados, a pele encrespada, vincos profundos juntos aos lábios, que se franzem a cada palavra.
A voz, ah, a voz, sedutora, acariciante. Olha para mim como se eu fosse muito especial; sempre teve esse dom: cada um sente-se único, filhos, amigos, amantes, o marido. A todos dava um pedacinho de si, de todos sugava tudo. Uma vez por semana, religiosamente, nos reunimos na casa dela para almoçarmos, quer esteja acordada ou dormindo.

A avenca, recém regada, abriu algumas folhinhas, mas muitas continuam franzidas. Fraquinha, será que ainda vai conseguir cumprir sua missão? Espantar mau olhado, absorver as energias negativas, acusar se tiver alguém invejoso por perto – as folhinhas murcham no ato. Outrora linda, verde, exuberante.

Mirradinha no vaso grande, trêmula, desvanece pouco a pouco.

__________________________________________________________________________________________

SYLVIA LOEB – É psicanalista e escritora. Visite seu site, acesse sua página no Facebook ou escreva para o email [email protected]!

5 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *