Este artigo é parte do Clube dos Escritores Blog Clube dos Escritores 50+ Sylvia Loeb A janela do meu quarto

A janela do meu quarto,
por Sylvia Loeb

Da janela do meu quarto vejo um vale profundo; da janela do meu quarto, quando a tarde cai, vejo um presépio no vale, um céu furta cor, uma estrela grandona, um risco da lua crescente, um avião que passa devagar, o som das asas dos pássaros que vão dormir.

Da janela do meu quarto vejo um jardim onde passa um rato fugindo, uma mangueira pra molhar os bonsais, um balde vazio, o muro do meu vizinho onde mora um cachorro que chora.

Da janela do meu quarto vejo a noite se aproximando e quando fica tudo escuro fecho a janela e não tenho mais pra onde olhar.

Quando começa a clarear abro a porta da minha casa, vou pegar o leite e o pão, coo o café, esquento o leite, vou pro quintal, sento no degrau da minha cozinha e olho o vale profundo, que começa a ficar dourado na hora em que os pássaros acordam.

4 comentários

  1. Muito lindo, Sylvia. Da janela do quarto ela vê os instantes em que o sonho e a vigília se misturam: vê o estranho, o estranhamento… E quando a noite cai fecha a janela… e vai sonhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *