Este artigo é parte do Clube dos Escritores Blog Clube dos Escritores 50+ Luciano de Castro O cavalo que não gostava de mar

Luciano de Castro às voltas com o cavalo que tinha medo do mar

O cavalo que tinha medo do mar

Três homens tentavam fazer o cavalo entrar no navio ancorado no porto de Lisboa. Um deles o puxava pelo cabresto, outro empurrava-lhe a anca e o terceiro, mais afastado, o chicoteava e gritava: “ Inferno! Entra logo, cabrão!” O cavalo tinha os olhos arregalados, arfava, levantava a cabeça e batia com os cascos nas pedras, movendo o corpo para trás.

— Não adianta, barão. Ele não vai entrar. Estamos aqui labutando há quase uma hora e nada. O bicho é grande, e muito forte. Não podemos com ele.

— Lourenço está certo, senhor. Este é do tipo teimoso. Não entra nem a troco de pancada. Além disso, a porta do porão é muito baixa. Vamos ter que arrumar outro jeito.

— Pois me arrumem logo esse jeito e ponham o ginete pra dentro da nau. Que estás a dizer, Osório? É teimoso sim, mas é um puro-sangue lusitano, ora bolas! Um ótimo animal de montaria. Eu preciso dele no Brasil, inclusive como reprodutor. Resolvam logo isso, que não temos o dia inteiro. Os dois sujeitos ficaram confabulando baixinho, buscando um meio eficiente para meter o animal no navio e garantirem o emprego na quinta. Vermelho e impaciente, o barão andava de um lado para o outro, ora resmungando, ora lançando impropérios contra os dois empregados.

— Vamos cortar-lhe os cascos — sugeriu Osório. Tenho cá uma serra bem afiada. Diminuindo alguns centímetros na altura, talvez conseguíssemos metê-lo porão adentro.

 — Não vai resolver. Se lhe cortarmos os cascos, ele ficará ainda mais irritado e poderá nos morder. Além disso, continuará se debatendo ao se aproximar da entrada. O que poderíamos tentar é flexionar-lhe as pernas, amarrá-las e fazê-lo entrar de joelhos.

 — Hum, parece uma boa ideia, mas é arriscada. O animal é muito pesado e vai continuar relutando para não entrar. Com isso, é capaz de forçar a articulação do joelho, romper ligamentos e tornar-se imprestável para as tarefas no campo. Dependendo da lesão, nem pra reprodutor vai servir. O barão mandaria nos esfolar vivos se estropiássemos o seu puro-sangue. Por que não aumentamos a abertura da portinhola?

— Não há tempo pra isso. A viagem já está atrasada. O comandante é inglês e não aceitaria remendos no seu navio só por causa de um cavalo birrento.

—Tens razão, Lourenço. Poderíamos fazê-lo beber aquela poção soporífica.           

— Essa beberagem é incerta, Osório, e também perigosa. Se dermos pouco, ele não dorme; se dermos muito, podemos matá-lo. É difícil calcular a dose certa. Não te lembras do que aconteceu com o Martim? Fique tranquilo. Haveremos de resolver esta maçada e  vamos fazer esse bicho entrar no navio andando com as próprias patas.

O plano final foi posto em prática. Lourenço postou-se do lado esquerdo do animal e o manteve imobilizado com rédea curta. Pelo lado direito, Osório se aproximou, chamando-o pelo nome e acariciando-lhe o pelo e a crina. O cavalo estava sereno. Osório foi subindo as mãos  pelo pescoço do animal até chegar à cabeça, quando fechou a mão e violentamente golpeou-lhe o olho com uma pequena sovela que trazia escondida na palma da mão. O cavalo estremeceu. Lourenço repetiu a operação no olho esquerdo. Estava feito. Apática e indolente, a alimária enfim se deixava conduzir e adentrava a embarcação.

Orgulhosos da façanha, Osório e Lourenço ainda permaneceram no cais a observar a nau que deslizava lenta pelas águas de Tejo. Eram empregados eficientes. Haviam feito  um bom trabalho. Consideraram todas as possibilidades e aquela havia sido a única alternativa. O barão nunca suspeitaria deles. Aquela era uma viagem longa e cheia de perigos. Ouviam histórias de cavalos que adoeciam e eram atirados ao mar. Quando descobrisse a cegueira, o barão poria culpa naquela viagem tenebrosa, naquele porão fedorento e infestado de ratos; nunca neles, seus fiéis serviçais.

A nau sumiu no horizonte. No seu camarote, o barão viajava satisfeito, contando que teria um excelente animal para suas lides na colônia. No porão, entre sacos de  mantimentos e caixas de azeite, dormitavam homens pretos, vacas, porcos, galinhas e um puríssimo-sangue lusitano, belo, triste e finalmente dócil.   

5 comentários

  1. Que impacto esse conto, de arrepiar! O cavalo tinha medo da maldade humana, não do mar. E os malfeitores criminosos, por sua vez, medo do barão. Assim se causam cegueiras mutilantes, o brio é apagado, o cavalo – instinto pujante – se domestica aleijado. Muito terrível e dolorido. Procurei “sovela”, usada em curtumes, o animal utilitariamente esfolado, a exploração da natureza, da vida. E também achei: “Na Bíblia, em Êxodo 21:6 há uma referência a uma sovela para perfurar a orelha de um servo que não queira ser libertado, ficando assim marcado como pertencendo ao seu amo”

    Ver também

  2. Como você escreve bem, Luciano. Impactante, cruel, enxuto.
    Seu conto conversa com os de Flannery O’Connor em “ É Difícil Encontrar Um Homem Bom.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.