Os três problemas mais chatos da menopausa e como enfrentá-los

Por volta dos 50 anos, o relógio biológico começa a apresentar os primeiros sinais de mudanças e as mulheres vão sentir os primeiros sintomas da menopausa. Esse é o seu corpo dizendo que os seus ovários estão cessando a produção de estrogênio e progesterona, portanto seus ciclos menstruais e ovulatórios estão se encerrando. Por mais que a menopausa seja um evento fisiológico normal e esperado na vida da mulher, esse período pode trazer alguns desconfortos como ondas de calor, suores norturnos, ganho de peso, perda de libido, fadiga, insônia, secura vaginal e até depressão. A intensidade desses sintomas varia de acordo com cada pessoa, mas alguns podem ser mais difíceis de lidar do que outros. Escolhemos os três problemas mais chatos de se lidar nesse período e vamos mostrar como combatê-los para que você consiga manter sua vida nos trilhos.

O “calorão”
Consideradas um dos maiores males da menopausa, as ondas de calor ocorrem devido à diminuição dos níveis de estrogênio que acabam afetando a área do cérebro responsável pela temperatura do organismo. Segundo o ginecologista e obstetra especializado em menopausa, Paulo Veinert, de São Paulo, usar roupas leves, manter uma dieta pobre em gordura e rica em vitaminas e minerais, e praticar exercícios físicos regularmente podem ajudar a combater o problema. “O incômodo é muito grande devido à transpiração excessiva e a vermelhidão da pele”, explica Veinert. “Apesar de hábitos saudáveis ajudarem, em muitos casos as ondas só podem ser amenizadas com tratamentos de reposição hormonal”, afirma o profissional.

Insônia e depressão
A menopausa também pode afetar a qualidade do sono, o que pode levar à irritabilidade e à depressão. “Algumas mulheres ficam deprimidas, choram à toa, perdem a vontade de sair de casa”, constata o especialista. “Dependendo do caso, esse tipo de sintoma deve ser tratado com antidepressivos ou remédios para dormir, sempre prescritos por um especialista.” Para ajudar no tratamento, vale mais uma vez a recomendação anterior: é preciso incluir na rotina a prática constante de exercícios. “Não precisa ser uma ginástica pesada, pode ser uma caminhada pela manhã, de preferência em um lugar agradável. Esse cuidado ajuda na reconstrução da autoestima e no tratamento da depressão porque, inconscientemente, a mulher está tirando um tempo para si mesma, para se dedicar às próprias coisas. Se for sozinha, tudo bem, mas se tiver companhia, melhor ainda!”

Ressecamento vaginal
Mais um problema bastante comum e inconveniente, o ressecamento vaginal pode vir acompanhado de ardor, perdas frequentes de urina, desconforto sexual e infecções urinárias. São sintomas que, além de incomodar, provocam constrangimento na mulher. Segundo o Dr. Veinert, o tratamento com hormônios e cremes vaginais hormonais e não hormonais são bastante eficientes. A boa notícia é que atualmente foi disponibilizado no mercado um aparelho chamado Fotona que regenera a área uro-genital com o uso de raio laser. Por ter um custo alto, grande parte dos ginecologistas ainda não aderiu ao novo método, mas quem testou afirma que os resultados aliviam cerca de 80% dos problemas. “A aplicação é indolor e rápida, sem uso de medicamentos ou hormônios, uma indicação segura para mulheres que se submeteram à quimioterapia ou tiveram câncer”, relata Veinert. “O laser sai por meio de um feixe especial e regenera a mucosa vaginal, recuperando sua elasticidade e sua umidade vaginal, devolvendo à mulher o conforto no seu relacionamento sexual e minimizando, ou até eliminando, a incontinência urinária com expressiva redução dos episódios de cistites.”

Caso você apresente esses e outros sintomas da menopausa, não ignore. Consulte seu médico!

Dr. Paulo Veinert é Professor da Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo, ginecologista e obstetra especializado em tratamento de menopausa.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *