Este artigo é parte do Clube dos Escritores

Sete cantos
em sete estrofes
de amor e de dor
por Eder Quintão

Amor
É luz
Refulgente
De dia nascente
Mas se não o afaga
Logo se apaga
Sol poente

Amor
É cor
Mais odor
De rosa em flor
Mas se não irriga
Mirra mesquinho
Resta espinho

Amor
É ninho
Aquecido
Suave tecido
Mas sem carinho
Jaz pelo caminho
Esquecido

Amor
É vigor
Esculpido
Em mármore
Mas se exaurido
Resta abatido
Corroído

Amor
É o velar
Em ventre
Vida em semente
Mas se abortar
Finda carente
Indiferente

Amor
É o vagar
De ave a revoar
Serena e canora
Mas se o contamina
Ciúme que devora
É ave de rapina

Amor
É o fulgor
Incandescente
Por sopro insistente
Mas se não nutre
Pronto apodrece
Resto de abutre

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *