Este artigo é parte do Clube dos Escritores Blog Clube dos Escritores 50 mais Leo Forte Patética

…e a situação patética de Leo Forte?

Antes de começar clique no botão de play para ler junto com a música

Ana Zaltic, Ana Z, para não confundir com a outra do grupo. Ana Z, vivo lembrando disso.

Eu não devia ter saído de paletó, está muito quente. Meu rosto está ardendo com esse sol todo e minhas costas estão queimando, pegando fogo.

Não…não, a culpa não é sua. Eu é que não faço outra coisa a não ser pensar em você nesses últimos 373 dias. Estava distraído e não devia ter saído de paletó hoje, ele se confundiu com certeza, tenho até pena.

Situação patética. Lembra, nossa sinfonia preferida, a 6a. de Tchaikovsky, a Patética, linda, lembrei o tema. Não sei por que pensar nisso agora.

Ana Z… Ana Z… Ana…, não  consegui segurar a urina, estou todo mijado. Desculpe, esqueci, você  não  gosta que fale assim, mas estou constrangido e aaiiii…com uma puta dor no peito.

Não percebi, desceu da garupa da moto, não dei atenção, chegou rápido revolver na mão…, me assustei…rapaz muito jovem…quase uma criança… ele e eu assustados… levantei o paletó rápido demais para pegar a carteira no bolso da calça… deve ter achado que eu estava armado… dois tiros… pancada forte no peito, fui lançado de costas no asfalto quente.

De relance vi a cara assustada do rapaz… deixou a arma cair no chão e correu…é quase uma criança… foi se esconder em algum canto, deve ser a primeira vez que passou por isso, não vai esquecer nunca.

Situação patética, agora sou uma poça de sangue e urina com uma carteira e um revolver esparramados no asfalto quente. Está esfriando muito Ana Z, uma neblina gelada.

– Senhor! gritou alguém – Senhor! – Sou a Doutora Paula, do resgate. Olha pra mim…não durma…olha pra mim…fica comigo…fica comigo…fica…enfermeiro, epinefrina, rápido!

 Ana Z a neblina chegou, você veio me encontrar, já sinto o teu cheiro, aquele suave de lavanda. Me dá a mão, Ana Z, te espero, há tanto tempo…

Ai, a moça está apertando meu peito, me leva, não quero ficar com ela, me leva, me leva, chega, quero ir.

Isso, vamos embora, não vou olhar pra trás posso ter que voltar, a doutora está chorando, Ana Z, sinto as lagrimas caindo em meu corpo, veja!

– Não olhe, vamos amor, nessa hora é assim mesmo, venha, vamos embora.

Você ouviu um trecho do 4º. Movimento da Sinfonia no. 6 Opus 74 “Patética” de Tchaikovski

2 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *